parallax background

Espumante Bruto DIVAI: pertencer ao coração da Bairrada.

O Espumante Bruto DIVAI é um elegante espumante português, criado no coração da Bairrada e perfeito para celebrar aqueles momentos inesquecíveis.

 

 

A região da Bairrada, berço do espumante DIVAI

Entre Aveiro e Coimbra, ao longo de uma faixa que atravessa os concelhos da Anadia, Mealhada, Oliveira do Bairro, Cantanhede, Águeda e Vagos, desenha-se uma das mais importantes regiões vitícolas de Portugal, onde nascem os melhores espumantes portugueses.

Caracterizada por um clima ameno e atlântico, de forte influência marítima e por solos argilo-calcários, é a região perfeita para nela nascerem alguns dos vinhos espumantes mais artísticos do nosso país, entre os quais o nosso Espumante Bruto DIVAI.

A região da Bairrada não é apenas dona de uma paisagem, clima e viticultura únicas. É também berço de cultura e arte, onde o vinho, também ele fruto de uma expressão cultural e artística, se interliga com a história de alguns artistas portugueses. Este é caso do pianista António Fragoso, natural de Cantanhede, um dos músicos mais geniais do nosso país e autor de uma surpreendente e vasta obra e falecido precocemente em 1918.

 

Qual a diferença entre espumante e champanhe?

A diferença entre “champanhe” e espumante é a região demarcada onde é produzida, sendo que só os vinhos espumantes produzidos em Champanhe podem ter essa designação.Champanhe” é a designação que se dá apenas aos espumantes produzidos na região de Champanhe, situada no nordeste de França.

Em Portugal, nomeadamente na Bairrada, o vinho espumante, segue o mesmo método de produção usado na região de Champanhe.  De facto, embora desde o século X haja registo de produção de vinho na região da Bairrada, foi em 1867 que o investigador António Augusto de Aguiar definiu as suas fronteiras da região demarcada e estudou a fundo o sistema de produção destes vinhos, em particular o “método champanhês”. Este deu origem, em 1890, ao primeiro vinho espumante da Bairrada. Esse espumante, fruto da investigação desenvolvida na Escola Prática de Viticultura da Bairrada, também fundada por António Augusto de Aguiar, é uma das grandes inspirações da DIVAI.

Assim também é feito este espumante DIVAI. Criado a partir das castas Arinto, Bical, Chardonnay e Baga as quais, através do processo de vinificação clássica e um controlo preciso da temperatura durante a fermentação alcoólica, com segunda fermentação em garrafa, geram um vinho com notas de prova únicas. O método tradicional champanhês usado no nosso espumante recebe esse nome por terem sido assim que os primeiros espumantes foram criados, na região de Champanhe. Este processo, que “gera” as pequenas bolhas características deste vinho, tem como base, devido às baixas temperaturas, os açúcares não serem totalmente consumidos. Assim, com a subida da temperatura, as leveduras voltam a ficar activas, iniciando uma nova fermentação na garrafa, formando-se assim gás carbónico.

Este método, utilizado na produção de espumante desde o século XVII, é, nos dias de hoje, praticamente o mesmo, sendo que a principal alteração foi introduzida pela viúva de François Clicquot, que desenvolveu um método para retirar todo o fermento da garrafa, dando origem a um espumante mais límpido.

O Espumante Bruto DIVAI

Criado pelo enólogo João Soares, a partir das castas Arinto, Bical, Chardonnay e Baga, o Espumante Bruto DIVAI possui aroma delicado e cítrico, com bolha fina e abundante. Como todos os espumantes brutos, o espumante DIVAI tem um baixo teor em açúcar.

É o teor em açúcar que classifica os espumantes em doces, meio-secos, secos e brutos, sendo que um espumante doce pode ter um teor em açúcar de cerca 50 gramas por litro e um espumante bruto terá menos de 12 gramas de açúcar por litro. O espumante Bruto DIVAI tem cerca de 6 gramas de açúcar por litro, tornando-o num espumante de sabor mais sóbrio, complexo e adulto.

Este é um espumante criado para celebrar a arte vitivinícola que atravessa a paisagem única da região da Bairrada. No final, deixa no palato notas de fruta, fermento e pão e também um fim de prova a pertença a um vinho e a uma região que se fizeram quase perfeitos.

Como servir o seu Espumante Bruto DIVAI?

Deverá servir o Espumante Bruto DIVAI frio (entre 6 e 8ºC), mas não coloque a garrafa no congelador, pois se se esquecer dela esta poderá rebentar.

Apesar da abertura estrondosa e aparatosa de um espumante ser um momento icónico de muitas celebrações, a rolha deverá sair lentamente e com pouco ruído. Para tal, pegue na garrafa com uma mão e segure a rolha com a outra. Rode sempre a garrafa e nunca a rolha, pois se forçar a rolha esta corre o risco de se partir e retire-a sem movimentos bruscos.

Sirva o seu espumante em copos altos e estreitos (flutes) para que o seu espumante perca a menor quantidade de gás possível e assim conserve o seu paladar original.

O Espumante Bruto DIVAI é perfeito para celebrar aquele momento, que um dia se tornará numa memória única. É um espumante com acordes do Atlântico e notas de uma história feita entre invernos amenos e verões adoçados pelos ventos do mar.

 

O que comer com o Espumante Bruto DIVAI?

O Espumante Bruto DIVAI acompanha bolo e sobremesas. E também pratos de marisco, queijos de maturação média ou até mesmo com o delicioso e tradicional leitão da Bairrada, com o qual fará um par regional imbatível. Ou, simplesmente, o vinho espumante perfeito para acompanhar uma celebração inesquecível ou com um momento ao qual pertencerá para sempre.

Sangrias de espumante DIVAI

Para aquele fim de tarde especial ou para acompanhar uma noite quente de verão, partilhada com amigos, sugerimos uma deliciosa sangria de Espumante Bruto DIVAI. Graças à sobriedade e frescura do seu sabor, o nosso espumante é excelente como base de sangria branca de espumante (que poderá ser aromatizada com maçã, limão ou lima) ou sangria de espumante e frutos vermelhos. Ou mesmo transformar a sensual combinação de espumante e morangos numa original sangria, como a que lhe propomos de seguida:

Receita de sangria de espumante e morangos:

  • 1 garrafa de Espumante Bruto DIVAI
  • 12 a 15 morangos
  • 1 água tónica
  • 1 dl de vodka
  • 2 colheres de sopa de açúcar mascavado
  • 1 pau de canela
  • Sumo e casca de uma lima
  • Folhas de hortelã
Minha Conta